BARROSO, José Manuel Durão PDF Imprimir e-mail

Nasceu em Lisboa a 23 de Março de 1956 e licenciou-se em Direito pela Universidade Clássica. É mestre em Ciências Económicas e Sociais e pós-graduado em Estudos Europeus pela Universidade de Genebra. Foi assistente da Faculdade de Direito de Lisboa, “visiting scholar” dos Institutos Universitários Internacionais do Luxemburgo e do Instituto de Florença, e professor visitante da Universidade de Georgetown, em Washington. Foi director do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Lusófona.

Militou no MRPP aos 18 anos, ainda antes do 25 de Abril de 1974, aderindo ao PSD seis anos mais tarde.

Estreou-se em funções governativas como secretário de Estado da Administração Interna em 1985, no primeiro Governo liderado por Cavaco Silva. Seguiu-se a Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, entre 1987 e 1982, no XI e XII Governos Constitucionais de maioria social-democrática. Foi nessa qualidade que medeou as negociações entre o MPLA e a UNITA, que culminariam na assinatura dos acordos de Bicesse, em 1991. Ministro dos Negócios Estrangeiros entre 1992 e 1995, foi depois deputado à Assembleia da República, onde presidiu à Comissão dos Negócios Estrangeiros.

Em 1999 assumiu a liderança do PSD, vencendo as eleições legislativas de 2002, realizadas antecipadamente na sequência do pedido de demissão de António Guterres do cargo de primeiro-ministro. Liderou então um governo de coligação entre o PSD e CDS-PP. Três anos mais tarde, abandonou a chefia deste Governo para assumir a presidência da Comissão Europeia, cargo para que foi indigitado a 26 de Junho de 2004 e que desempenha actualmente. Defendeu, em entrevista ao “Público”, de 9 de Janeiro de 1994, uma construção europeia enquanto modelo internacional no quadro do direito internacional que não se limita a agrupar interesses intergovernamentais, mas que deve manter-se protegida de tentações federalistas.

Publicou os livros “Sistema de Governo e Sistemas Partidários” e “O sistema político português face à integração europeia”, este último em co-autoria com Pedro Santana Lopes.

 
Apoios: