MONTEIRO, Manuel Fernando da Silva PDF Imprimir e-mail

Nasceu em Lisboa em 1962. Aderiu ao CDS enquanto aluno do liceu Passos Manuel, aos 13 anos, ingressando na direcção da Juventude Centrista em 1981 e assumindo a presidência daquela estrutura em 1990.

Apoiado por Adriano Moreira, assumiu a liderança do CDS num congresso realizado em Lisboa em Março de 1992, derrotando Basílio Horta. Tinha então 29 anos. Durante o seu consulado foi acrescentada a designação PP (Partido Popular) à abreviatura anterior.

Optou por um discurso de ruptura em relação às gerações anteriores que asseguraram a direcção partido, nomeadamente quanto às questões europeias. Manifestou-se frontalmente contra o federalismo e a favor de uma Europa das nações onde a soberania de cada estado deveria ser preservada.

Reprovou também o tratado de Maastricht e a União Económica e Monetária, defendendo a possibilidade dos Estados-membros adoptarem, facultativamente, políticas definidas em comum. Defensor da realização de um referendo para a ratificação do Tratado de Maastricht, promoveu uma consulta interna sobre o Tratado da União Europeia no qual este foi rejeitado por 90% dos militantes. Na sequência destes resultados, Freitas do Amaral pediu a demissão do partido, a que se seguiu o abandono dos eurodeputados Luís Beiroco e Carvalho Raposo. Em 1993 foi eleito eurodeputado.

Acabaria por abandonar a direcção do Partido em 1998, altura em que foi substituído por Paulo Portas. Abandonou definitivamente o CDS-PP em Fevereiro de 2003 , fundando um novo partido, denominado Nova Democracia.

 
Apoios: